2013-08-30

HÁ IDEIAS QUE MARCAM...
...sobretudo quando proferidas por verdadeiros líderes. 

Hoje, por exemplo - e a propósito da minha crónica no Jornal Beirão (escrita na terça-feira) - destaco esta de Vital Moreira:-"Regionalização está morta e sepultada. Não vale a pena contar com o sapato do defunto"!
O caso é que o tema está consagrado na CRP...e até parece que ninguém jurou defendê-la - a Constituição!





A TÁTICA DO QUADRADO...
...ou de como perduram – e podem até perpetuar-se – os discursos (e as obras) com substância.

          Ficou na história uma célebre frase de Kennedy, dita em Berlim – cidade dividida pela “Guerra Fria” – Ich bin ein Berliner; tal como ficou na memória do mundo civilizado o vigoroso “grito” de Martin Luther King – I have a Dream – proferido em Washington, no final de uma grande marcha pelos direitos cívicos e políticos dos negros nos EUA, realizada faz agora 50 anos.
          A “substância” – o que está por debaixo, o essencial, o mais importante – desses dois momentos, foi e tem sido identificada pelo seu aspeto mais propagandístico, mais do tipo slogan, mais promessa. Sendo real, sem dúvida, parece ter sido esquecido ou menorizado o papel da mensagem. E no caso de Luther King, importa agora reter a “leitura” de José Luís Garcia – professor de Ciências Sociais na Universidade de Lisboa – ao realçar que a mensagem “é uma grande peça da oratória cívica democrática e não marketing político”.
          Na nossa ordem interna, e por oposição a Kennedy e a Luther King, o que temos? A mediania mais baixa, sobretudo em Passos Coelho e mesmo em Cavaco Silva. Este, com a agravante de ocupar a mais alta posição do Estado e, por isso, ter a obrigação de olhar igualmente para todos os portugueses respeitando e fazendo respeitar a Constituição. Falando e agindo quando deve. Intervindo com oportunidade. Contudo – e sinceramente – alguém, algum dia, se virá a lembrar de uma ideia, de uma simples frase com impacto na vida dos portugueses e com origem no actual PR? Mais do que duvidar, tenho a certeza que não! O que Cavaco Silva vai deixar como herança não irá além da presunçosa e negativa frase “nunca tenho dúvidas e raramente me engano”! Não se vê nestes homens, nestes políticos portugueses, um mínimo rasgo de génio, uma luzinha onde se possa projetar a simples e evidente ideia de que o mundo gira e avança. E ao PR, para ser eleito, basta uma promessa:- cumprir e fazer cumprir a CRP.
          Nesta perspetiva, o que nos resta? Rejeitando a hipocrisia e a política rasteira dos arranjos partidários para atingir a posição de deputado – o que deveria ser uma prática política nobre – talvez nos reste ainda uma ponta de dignidade no poder local, apesar de alguns [felizmente poucos] maus exemplos revelados desde o 25 de Abril de 1974. O caso é que, nos últimos mandatos, o número tem vindo a subir exemplarmente. Agravado agora com a tentativa saloia de alguns pretenderem perpetuar o seu poder, fintando a lei de limitação de mandatos.    
          E por aqui, pretendo chegar a este tempo de pré-campanha eleitoral para as «Autárquicas», onde a substância tem primado pela ausência. O que se lê e se ouve, então? As maiores banalidades – quando não ilegalidades – do tipo das alegadamente praticadas por Menezes, no Porto, e por mais uns quantos candidatos espalhados pelo país, sem contar com a referida triste figura dos chamados “dinossauros”.
          Promessas são muitas e para todos os gostos apesar da “crise”. Nos grandes centros é quase tudo a papel químico no que respeita à baixa de IMI, IRS ou Derrama, mas no interior esquecido e cada vez mais desertificado – onde os municípios continuam sendo os maiores empregadores – é muito pequena a margem de manobra. Destaco, assim, o “arrojo” do presidente da Câmara de Arouca ao anunciar que a autarquia vai complementar com mais 50% o salário base dos médicos de família que aceitem ocupar as quatro novas vagas do Centro de Saúde local. Eleitoralismo...ou resposta realista ao desagrado e protesto das populações pela falta de médicos? Estes evitam Arouca porque os acessos são maus. Como cativá-los então, se o poder central se demite dessa função, não cuidando, sequer, de melhorar os acessos? Talvez não seja caso para dizer que o autarca de Arouca “tem um sonho” à dimensão do que teve Luther King – que seria muito provavelmente apenas melhores estradas e mais emprego – mas as populações que recorrerem no futuro ao Centro de Saúde e lá tiverem um médico para as atender, certamente se vão lembrar do que agora foi dito. A “mensagem” terá passado, apesar de tudo. Se não para o poder central, pelo menos para as populações.
          E por muito que tenhamos a tentação de “castigar” os políticos e os partidos tradicionais com o chamado voto nulo, nestas eleições de 29 de Setembro, será de bom senso não o fazer. Votemos, mesmo que seja nas candidaturas designadas como independentes. Deixemos o protesto do voto para 2015, já que foi essa a vontade de Cavaco Silva. 
António Bondoso
Jornalista – CP nº359.


António Bondoso
Agosto 2013.

Sem comentários: