2014-08-23


LUÍS BONDOSO APARÍCIO…
…Figura a reter na memória de Moimenta da Beira.
(13 de Janeiro de 1930, Moimenta da Beira – 23 de Abril de 2014, Lisboa).

           Na minha, por circunstâncias diversas – não apenas familiares. Tal como ele nasci em Janeiro [embora dia 11 e 20 anos mais tarde]; tal como ele, o chamamento de África; tal como ele – viria a casar numa igreja denominada de N.S. da Conceição, eu em S. Tomé e ele em Luanda [embora ele o tenha feito 13 anos antes, mas no dia 11 de Janeiro – dia do meu nascimento].
         Luís Bondoso Aparício faleceu a 23 de Abril deste ano, a dois dias apenas de se assinalar o 40º aniversário do “25 de Abril de 1974” – o marco da Liberdade pelo qual lutou desde muito novo, chegando a ser militante comunista ainda na clandestinidade – numa altura em que eu me encontrava envolvido num programa comemorativo da efeméride em Moimenta da Beira.
         Jurista, empresário, professor de Direito – Luís Bondoso Aparício levou Moimenta da Beira para Angola em 1959, fazendo de Luanda a base de partida e de chegada das suas andanças pelo mundo dos negócios e pelo amor ao “Bridge”.
Licenciado em direito em 1956, em Coimbra, nasceu a 13 de Janeiro de 1930, filho de José de Almeida Leitão [farmacêutico] e de Dinora Veiga Bondoso, Luís era neto paterno de José de Almeida Leitão Junior/Maria José Baptista e materno de Luiz Zeferino Bondoso/Luisa d’Almeida Leitão Veiga – meus bisavós paternos. Casou em Luanda a 11 de Janeiro de 1961, com Deolinda Carmen Pereira Machado, na Igreja de Jesus – da freguesia de N.S. da Conceição, como já referi.
 Depois de consultor jurídico em várias empresas, quer em Angola, quer em representação de países como o Kenya, os EUA e a Argélia, o primo Luís desempenhava em 1973 idênticas funções na DTA/TAAG – tendo exercido nessa data a sua influência para que eu pudesse viajar de Luanda para S. Tomé, de modo a apresentar-me em tempo oportuno no Quartel onde cumpria parte do meu serviço militar obrigatório.
E agora, 40 anos depois – numa altura em que o primo Luís nos deixou fisicamente neste ano de 2014 – Augusto marca um sentimento de gratidão muito forte à Carmen, mulher com quem Luís Aparício[1] se havia casado em 1961, em Angola:


  É POSSÍVEL

As estrelas cintilam porque ardem
Semeando fogo pela imensidão do universo
Infinito repouso de quem segue
Procurando paz
Perseguindo a vida
Para além do firmamento das hipóteses.


[1] - Lembrado na edição da revista Mutamba – do Novo Jornal – de 1 de Agosto de 2014. Competente, íntegro, Mestre dedicado dos Magistrados, são adjetivos de Eugénio Ferreira – antigo Presidente do Tribunal da Relação de Luanda. Maria do Carmo Medina, juíza do mesmo tribunal e que viria a ser nomeada vice-presidente do Tribunal Supremo, refere-se a Luís Bondoso Aparício como “pertencendo ao pequeníssimo grupo dos cabouqueiros do direito do novo Estado”. Luís Aparício foi docente na Faculdade de Direito da Universidade de Agostinho Neto. E nos anos de 1990 trabalhou em Macau no escritório de Advocacia de Pedro Redinha. 


Luís Bondoso Aparício, de pé – à direita – com os “staffs” da Boeing e da TAAG, em Seattle.(Fotos gentilmente cedidas por Carmen Aparício).

          “Luís Aparício ou Luís Bondoso Aparício” – exatamente assim referido no seu processo na PIDE, em 1964 [vigiado pelas suas posições de esquerda desde muito novo], devido a reuniões com vista à constituição da Associação Jurídica de Angola, nomeadamente com Diógenes Boavida – foi também, no período colonial, administrador do CTA (Consórcio Técnico de Aeronáutica), uma empresa de táxis aéreos que se dedicava à pulverização de campos de algodão e girassol em Angola. Ao serviço dessa empresa chegou a estar igualmente em S. Tomé. Mas o que mais o motivou [para além de ganhar torneios de Bridge em Luanda, Lourenço Marques ou Salisbury] foi o ensino do “Direito” depois da independência de Angola, “quando os recém-licenciados tinham avidez em aprender” (ver nota 1).
         Grande parte deste “texto” completa uma vasta reflexão à volta das minhas viagens e dos tempos históricos que fui vivendo, prestes a ser publicada em livro – EM AGOSTO…A LUZ DO TEU ROSTO! E outras musas e sereias entre viagens. Uma “estória” que relata o encontro de Moimenta da Beira e de Moncorvo em S. Tomé e Príncipe, num vai e vem que se prolonga pela descolonização de África e, já no final do século, tem o seu epílogo em Macau.
E a surpresa que foi ver ainda numa lista telefónica de 1992, em Macau, o nome de Luís B. Aparício. Ele que, apesar do breve período na sua experiência a Oriente [regressou a Portugal devido a problemas graves de saúde], ainda teve tempo para “aprender” algumas expressões em “Cantonense”. Como o endereço do escritório de Pedro Redinha [então no Sán Laiwá, sán laivá] ou do Tribunal [Fat Üne] ou até mesmo pedir uma cerveja [Pet’Chao] e ir ao Mercado [Kai Si] Vermelho comprar o peixe ainda vivo.
Obrigado – Tó Ché [ou Mecói Sai] – Luís Bondoso Aparício.
António Bondoso


António Bondoso
23 de Agosto de 2014


Sem comentários: