2015-03-11

DE SONHO EM SONHO...


SONHO NU (A PUBLICAR)

O meu sonho vai nu
Despido de tudo.

Nascido do nada
Nem pôde crescer
Alimento ilusório
Num seio vazio
Que teimo em sorver
Pirrónica missão.

O meu sonho vai nu
Descalço de gente
Perfeito sem tempo
Não vendo a esperança
Latente sinal
Que ninguém me roubou.

O meu sonho vai nu
Despojado de vida
As horas são mortas
E as ideias tão vagas
Que a magia suave
De tão transparente
Não toca e não sente
Esta alma ferida.
O meu sonho vai nu
Sem véu e sem manto
Mas talvez possa ainda
Salvá-lo do pranto.
======== António Bondoso (A PUBLICAR)



António Bondoso
Jornalista

1 comentário:

Rosário Freitas disse...

Belíssimo! De uma grande profundidade, musical, permite uma cadência muito bonita ao ser lido em voz alta. Adoro este «Sonho nu».
Bravo! Se me permite vai passar para a lista dos poemas que gosto de dizer em público.
O meu abraço.